EU NÃO ARDO NAS SOMBRAS, CONSTRUO ALVORADAS!...

domingo, 24 de abril de 2016

INCANDESCÊNCIAS


                                          

                                           Como sílaba incendiada no feno
                                           és um rasgão de prata
                                           no rumor vegetal das searas.
                                           Inventas os gestos nas vagarosas sombras
                                           onde o desejo se instala.
                                           Propagas o derrame da íntima linguagem do amor
                                           no sedutor resvalar das brisas.
                                           Desfazes a orografia das palavras
                                           na precária eternidade da luz.
                                           És libertina mariposa
                                           na incandescente seara dos poetas
                                           corrompendo o poema!

                                 
                                                     
albino santos
*Reservados Todos os Direitos de Autor

7 comentários:

  1. É no rumor suave das searas ondulantes ao vento de um verão de lava, incandescente e rubro que as mariposas de luz invadem os sonhos e povoam a vida....
    Que magnifico poema querido poeta! Que beleza e força em cada sílaba.
    Beijos de meigo luar

    ResponderEliminar
  2. Forte e sensualíssimo!
    lindo querido poeta,
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Profundo e de enorme sensualidade. Cada palavra transporta beleza, envolvimento e sonho.

    Amei

    Com amizade

    Bjgrande do Lago

    ResponderEliminar
  4. Voltei para reler a incandescência de um alma apaixonada no rumor das searas onde as vagarosas sombras sussurram palavras prateadas como um doce luar...

    Boa semana querido poeta. Beijos de luar tecidos.

    ResponderEliminar
  5. É na seara onde todas as sonoridades vão de encontro ao incêndio que ateia toda a melopeia feita daquele rumor vegetal onde a brisa inventa a sensualidade perpassando fresca e leve pelas palavras que se soltam em desalinho. E o poema só ficaria corrompido se não o vestisses com a ternura sensual tão tua!
    Palavras para quê!
    Beijo AL! **

    ResponderEliminar
  6. Um poema intenso que jorra sensualidade.
    Tão você!

    Beijos!

    ResponderEliminar
  7. Lindo! Faltam-me as palavras. Abraço meu

    ResponderEliminar